Associação de Moradores de Traíras realiza a 5º edição do Natal das Crianças

O evento foi realizado nessa sexta-feira (22).

Na noite de ontem (22), Associação de Moradores de Traíras (AMT) realizou, pelo quinto ano consecutivo, o projeto “Natal das Crianças”, alegria para dezenas de crianças de Traíras. Esse ano, o Papai Noel foi o vereador Emídio Jr., grande liderança política e membro da diretoria da AMT. Por meio de sua rede social, o vereador agradeceu o apoio de todos que contribuíram com o evento.

“Mais um Natal das Crianças foi realizado pela Associação de Moradores de Traíras. Em nome do meu amigo, Edson Justino, presidente da associação, gostaria agradecer a todos os amigos e amigas que contribuíram para tornar o Natal das nossas crianças mais feliz. Muito obrigado!”, afirmou.

Natal das Crianças é realizado na comunidade da Às Marias

O evento foi realizado no último dia 15, na Escola Municipal Dr. Alfredo Lira.

Pelo segundo ano consecutivo, o Natal das crianças organizado por Matheus Rosemiro foi realizado com sucesso. Esse ano, a ação foi realizada no último dia 15, na Escola Municipal Dr. Alfredo Lira, do povoado da Às Marias.

“Fizemos a ação com os alunos do ensino infantil e do 1º ano. Agradeço às professoras Vanda Martins, Maria Tania e Glaucia Aline, que ficaram responsáveis por ajudar às criança a produzir as cartinhas do Papai Noel. Os presentes foram entregues com uma grande festa”, afirmou.

Sobre o projeto

Tudo começou com o jovem Matheus Rosemiro, morador da Reta Tabajara e recentemente formado em Ciências Contábeis. Na época da faculdade, Matheus falou com seus colegas e conseguiu o recurso necessário para fazer o primeiro evento em 2016. Em sua palavras, o projeto tem como principal objetivo combater a situação de vulnerabilidade social dessas crianças.

“Sem assistência ou apoio, a tendência é que essas as crianças cresçam em ambientes vulneráveis e comecem a cometer pequenos delitos. Na maioria das vezes, a intenção de um roubo executado por crianças não é satisfazer uma necessidade, mas suprir um desejo fomentado neles por diversos meios. Precisamos mudar essa realidade”, finalizou.

Estudantes realizam protesto em defesa da Escola de Neurociências, no centro de Macaíba

Esses são os jovens do presente. Parabéns!
Os alunos caminharam da Pista Nova à Praça do M (Foto: Maxson Savelle/Cidadão Macaibense

Com o grito de ordem “Fora Temer, fica CEC”, alunos e ex-alunos do Centro de Educação Científica, mais conhecido como Escola de Neurociências de Macaíba, realizaram protesto na tarde desta sexta-feira (22), contra o corte orçamentário do Governo Federal, que obriga o CEC a fechar as portas por falta de recursos.

 
“O CEC é diferente de uma escola regular, na qual os alunos estão acostumados a aprender matéticas, etc. Lá, aprendemos a correr atrás dos nosso objetivos, a correr atrás dos nossos direitos. E é isso que estamos fazendo aqui, porque temos amor por aquela escola. Estamos tentando fazer pelo menos a metade do que eles fizeram por nós. Excelentes professores. Vivemos momentos maravilhosos lá e não queremos que isso acabe”, afirmou a ex-aluna, Vitória Carvalho.
Para ter acesso a todas fotos da manifestação, clique Aqui.
 

Emídio Jr. apoia protesto pelo não fechamento da Escola de Neurociência de Macaíba

O vereador informa que está disponibilizando um ônibus para transportar os alunos e ex-alunos da Escola de Neurociências que residem na zona rural, com saída de Capoeiras, às 13h30.
Foto: Márcio Lucas/Prefeitura de Macaíba

Semana passada, Macaíba foi surpreendida com uma péssima notícia do fechamento da Escola Alfredo J. Monteverde, também conhecida como Escola de Neurociência de Macaíba, que é administrada pelo Instituto Internacional de Neurociências Edmond e Lily Safra (IIN-ELS)), do cientista Miguel Nicolelis. De acordo com informações repassadas pela jovem Vitória Carvalho, um grupo de alunos e ex-alunos estão organizando um protesto para esta sexta-feira (22), a fim de sensibilizar a sociedade e as autoridades locais para aderir a essa luta.

“Todo o recurso que mantém o Instituo de Neurociências provém de repasses do Governo Federal, por meio de uma parceria entre o Ministério da Educação e IIN-ELS. Acontece que essa verba foi totalmente cortada e, a partir do próximo ano, a escola ficará fechada por tempo indeterminado. Mas não podemos deixar que a escola feche as portas. Por isso, estamos organizando um protesto que irá ocorrer nesta sexta-feira, saindo em caminhada da Praça da Pista Nova, às 15h, em direção à Praça do M, no centro de Macaíba”, afirmou.

Preocupado com essa situação, o vereador Emídio Jr. já se colocou à disposição para ajudar no que for preciso, tendo em vista a importância do Instituto para a nossa cidade, onde já formou mais de mil alunos, principalmente da zona rural. Em vista disso, o vereador informa que está disponibilizando um ônibus para transportar os alunos e ex-alunos da Escola de Neurociências que residem na zona rural. O ônibus sairá do povoado de Capoeiras, às 13h30, passando por Traíras, Cana Brava, percorrendo a RN 160 até Macaíba.

Produtos da cajucultura devem compor merenda escolar da rede estadual de ensino

De acordo com o projeto, cabe à Emater e à Emparn promoverem a capacitação dos produtores e suas famílias, na organização da produção e comercialização do produto.
Deputado Hermano Morais (Foto: Reprodução/ALRN)

A Assembleia Legislativa aprovou Projeto de Lei que prevê a inclusão de 5% de produtos derivados da cajucultura na merenda escolar fornecida aos estudantes da rede estadual de ensino. A proposta, de autoria do deputado Hermano Morais (PMDB), estabelece que os produtos derivados do caju deverão ser adquiridos da agricultura familiar, podendo ser de produtor individual, de associação ou de cooperativa.

“Rico em vitaminas, fibras e nutrientes, o caju vai melhorar os valores nutricionais da alimentação de nossos estudantes e promover o desenvolvimento local. Apesar de enfrentar alguns desafios, destacando-se a necessidade do aumento da produtividade com uso de tecnologia, a cajucultura no RN é fundamental para o processo produtivo e sustentabilidade do setor rural potiguar”, defendeu Hermano.

Segundo dados da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o RN conta com 92% do seu território situado na região semiárida, possuindo 126.585 hectares de cajueiro, distribuídos em praticamente todas as regiões do Estado, com destaque para as microrregiões de Mossoró, Serra de Santana, Macaíba e Litoral Nordeste.

A produção e a comercialização da castanha de caju in natura representam uma atividade tradicional na Região Nordeste. A economia oferece grande potencial para a geração de renda, emprego e desenvolvimento, tanto na propriedade rural quanto nas agroindústrias localizadas nas zonas urbanas.

O caju é formado pela castanha e pelo pedúnculo ou falso fruto. Do pedúnculo, que contém de três a cinco vezes mais vitamina C que a laranja, além de cálcio, fósforo e outros nutrientes, pode ser obtida grande quantidade de produtos, a partir do processamento industrial ou mesmo de forma artesanal. Já a castanha, além da amêndoa, que apresenta grande valor nutritivo, constitui-se o principal produto da industrialização do caju.

Fator de desenvolvimento regional, do caju podem ser obtidos diversos produtos, como: suco integral; néctar; suco concentrado; refresco; cajuína; geleia; sorvetes; doce em massa; caju cristalizado; farinhas; doce em calda; rapadura; tortas; compotas; pães; recheios; biscoito; patês; passa de caju; hambúrguer e carne básica de caju para pastéis, moquecas, tortas salgadas, quibes, omeletes e outros pratos.

De acordo com o projeto aprovado na Casa Legislativa, cabe a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) e a Empresa de Pesquisa Agropecuária (Emparn) promoverem a capacitação dos produtores e suas famílias, na organização da produção e comercialização do produto. A proposta segue agora para a sanção do Executivo Estadual.

Processo contra Rogério Marinho é enviado para 1ª instância por ministro do STF

Marinho é investigado pela suposta prática de crimes contra a administração pública quando era presidente da Câmara de Vereadores de Natal, entre 2005 e 2006.
Deputado Federal, Rogério Marinho PSDB (Foto: Reprodução/Web)

Do Estadão

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu enviar para a primeira instância um inquérito instaurado contra o deputado federal Rogério Simonetti Marinho (PSDB-RN) baseado no entendimento firmado pela maioria da Corte de restringir o alcance do foro privilegiado para os crimes cometidos durante o exercício do mandato de parlamentares e que digam respeito ao cargo.

O STF formou no mês passado maioria para reduzir o alcance do foro privilegiado, mas o julgamento foi interrompido por pedido de vista (mais tempo para análise) do ministro Dias Toffoli. Não há previsão de quando a discussão vai ser retomada pelo plenário da Corte.

No caso de Rogério Marinho, o inquérito em tramitação no STF investiga a suposta prática de crimes contra a administração pública ocorridos em 2005 e 2006, quando o tucano ocupava a presidência da Câmara de Vereadores da cidade de Natal, no Rio Grande do Norte. Com a decisão de Barroso, os autos do processo serão enviados à 8ª Vara Criminal da Comarca de Natal.

Entre as irregularidades apuradas, estão a transferência irregular de servidores do quadro de funcionários da prefeitura de Natal para a Câmara de Vereadores, o pagamento ilegítimo de reajuste a servidores do Legislativo municipal, a realização de despesas no valor de R$ 3,7 milhões sem justificativa, além do comprometimento de mais de 70% da receita do Legislativo municipal com folha de pessoal.

“O caso concreto aqui examinado bem retrata a disfuncionalidade do sistema: o processo já tramitou em quatro jurisdições: no Supremo Tribunal Federal, no Tribunal de Justiça do Estado, na primeira instância da justiça estadual e encontra-se de volta ao STF. Não há adjetivos suficientes para qualificar o absurdo desse modelo, que causa indignação na sociedade e traz desprestígio para o Supremo”, escreveu o ministro Luís Roberto Barroso em sua decisão.

Emídio Jr. reclama sobre a falta de recolhimento do lixo nas ruas de Macaíba

De acordo com o vereador, umas causas da paralisação do serviço pode ter sido falta de pagamento por parte da Prefeitura à TCL.
Foto: Assessoria/Emídio Jr.

Do Senadinho Macaíba

Procurado pela redação do Senadinho, o vereador Emídio Jr. fez duras críticas à Prefeitura de Macaíba pela falta de recolhimento do lixo tanto nas ruas da cidade, como na zona rural. De acordo com o vereador, a falta de recolhimento do lixo ocorreu na semana passada, causando diversos constrangimentos à população.

“O que se viu pelas ruas de Macaíba foi muito lixo acumulado e na zona rural não foi diferente. Em Traíras, onde moro, o lixo tomou conta das calçadas e da porta do povo, e não passou nenhum carro do lixo a semana inteira, nem muito menos a prefeitura deu qualquer satisfação do que poderia ter ocorrido. Uma falta de respeito com a população macaibense”, declarou.

Foto: pontos do lixo que foram acumulados na zona urbana e rural de Macaíba

Ainda segundo Emídio, uma das possibilidades que pode ter ocasionado a paralisação da coleta de lixo pela TCL Limpeza Urbana Ltda, responsável pela prestação desse serviço à Prefeitura de Macaíba, pode ter sido a falta de pagamento da Prefeitura em relação à empresa.

“A população precisa saber o que está acontecendo entre a Prefeitura e a TCL. Certamente, essa paralisação não é normal. Não quero acreditar que a empresa deixou de prestar o serviço por falta de pagamento, não numa cidade como Macaíba, que ‘paga as contas em dia’ e arrecada R$15 milhões por mês. Vamos aguardar uma retratação por parte da Prefeitura, pois a população está sendo prejudicada e alguém tem que se pronunciar”, finalizou.