DIZ SER CRIA DA MACAÍBA – Por Wedson Poeta*

Foto: Arquivo/Wedson Nunes (Poeta)

DIZ SER CRIA DA MACAÍBA

“Diz ser cria da Macaíba”
Mas não conhece Capoeira
Ainda não foi a Felix Lopes
Comunidade hospitaleira
Nem visitou o Ferreiro Torto
Tampouco leu o livro O Horto
E não comeu o picado da feira

“Diz ser cria da Macaíba”
Mas vive curtindo em Natal
Tomando caldo e bebendo
Torrando fora o seu capital
Não conhece o bar de “Zé Abel”
Que fica na Olímpio Maciel
E tem caldo gostoso e legal

“Diz ser cria da Macaíba”
Mas não curtiu numa boa
Nunca foi a uma vaquejada
No parque de Betinho Pessoa
Nem voltou de madrugada
Ao lado da pessoa amada
E foi tomar banho na lagoa

“Diz ser cria da Macaíba”
Mas não observou a alteração
No relógio da nossa Paróquia
Nossa Senhora da Conceição
Um pedreiro bem gaiatinho
Subiu e alterou três minutinho
Durante a última revitalização

“Diz ser cria da Macaíba”
Mas não ajudou ao “Deus e Caridade”
Abrigo onde tem forró dos idosos
Pra você dançar bem à vontade
Também tem feijoada beneficente
Feita por gente limpa e descente
Que tem amor pelo povo da cidade

“Diz ser cria da Macaíba”
Mas eu ainda isso não acredito
Não bebeu em Antônio de Almeida
Nem jogou sinuca em Luiz do Bico
Nunca foi à Praça da Saudade
Ouvir Agnelo, artista da cidade
Você não sabe o que é ser rico

“Não sou cria da Macaíba”
Mas tudo isso eu já fiz
Nasci na minha “Salto da Onça”
E na terra de Auta fui feliz
Me considero um cidadão
Lá deixei o meu coração
E vim pro Sul do nosso país

Deixei o meu Rio do Norte
Criei coragem e tomei atitude
Vim pra SC tentar a sorte
E cuidar da minha saúde
Sou potiguar e nordestino
Sou poeta e forte menino
Peço a Deus que me ajude.

* Wedson Poeta – Conunicador Social, Memorialista, Escritor, Membro Vitalício e Diretor de Comunicação Social da Academia de Letras e Artes do Agreste Potiguar (ALAAP). Atualmente, mora em Florianópolis, onde está realizando um tratamento de saúde.

Mais uma lágrima que cai*

Foto: Joabson Marlos/Artista

“Mais uma lágrima que cai
E agora não sei
Mas em quem confiar

Crianças que são machucadas
Tem feridas que não querem curar

Vidas que não são vividas
Infância que querem roubar

E as pessoas que maltratam
Podem está em qualquer lugar”

*Poema composto por Jovens em Medidas SocioEducativas do CREAS/Macaíba