Marta e Alisson concorrem a melhores do mundo de 2019

Cerimônia da 11ª edição da Globe Soccer Awards será em Dubai
Marta e Alisson concorre ao prêmio de melhores do mundo em 2019 (Foto: Reprodução/Internet)

Agência Brasil

A atacante Marta e o goleiro Alisson foram indicados na manhã de hoje (30) ao Globe Soccer Awards, uma premiação destinada aos melhores jogadores do mundo neste ano.Concorrendo na categoria masculina com o brasileiro Alisson estão o argentino Lionel Messi, os portugueses Cristiano Ronaldo e Bernardo Silva, o egípcio Mohamed Salah e o senegalês Sadio Mané. Marta vai disputar o prêmio de melhor jogadora de 2019 com Ada Hegerberg (Noruega), Lucy Bronze (Inglaterra), Alex Morgan (EUA), Megan Rapinoe (EUA), Sari Van Veenendaal (Holanda) e Amandine Henry (França). O Globe Soccer Awards é organizado há dez anos pela Associação de Empresários de Jogadores de Futebol (EFAA) e pela Associação de Clubes Europeus (ECA).

A premiação também contempla outras categorias como a de jogador revelação do ano. Foram cinco indicados: o português João Félix, do Atlético de Madrid; o norueguês Erling Haland, do Red Bull Salzburg; o guinense Anssumane ‘Ansu’ Fati, do Barcelona; o inglês Jadon Sancho, do Borussia Dortmund; e o alemão Kai Havertz, do Bayer Leverkusen.

Outros profissionais, como os técnicos,  também disputam o prêmio de melhor de 2019. Na lista de finalistas estão Jürgen Klopp (Liverpool), Erik Ten Hag (Ajax), Fernando Santos (Seleção Portuguesa), Djamel Belmandi (Seleção Argelina) e Massimiliano Allegri (ele comandou o Juventus até maio, e depois entrou num período sabático).

Globe Soccer Awards vai premiar ainda o melhor clube do ano. Na disputa estão Liverpool, campeão europeu e vice-campeão inglês; Ajax, campeão holandês e destaque pelo desempenho na Liga dos Campeões; e a equipe de futebol feminino do Lyon, campeã europeia.

A cerimônia de entrega será no dia 29 de dezembro, em Dubai, nos Emirados Árabes.

Seleção Olímpica desfalca times na reta final do Brasileirão

Jardine convoca 11 jogadores que atuam no território nacional
Treinador André Jardine, Seleção Olímpica Brasileira (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

Agência Brasil

Após a convocação da seleção principal nesta sexta-feira (25),  foi a vez do treinador André Jardine realizar a última convocação de 2019 da seleção brasileira sub-23. Diferente de Tite, Jardine chamou onze jogadores de clubes brasileiros para participar do Torneio de Tenerife, na Espanha, entre 11 e 17 de novembro.

”A gente tem que olhar os dois lados da situação. Mas temos somente três convocações até o Pré-Olímpico”, ponderou Jardine.

A seleção olímpica estreia no próximo dia 14 de novembro contra os Estados Unidos.

Veja a lista de convocados:

Goleiros: Anderson (Athletico-PR), Ivan (Ponte Preta), Phelipe (Grêmio);

Laterais:  Dodô (Shakhtar Donetsk), Guga (Atlético-MG), Ayrton Lucas (Spartak Moscou) e Caio Henrique (Fluminense);

Zagueiros:  Ibañez (Atalanta), Lyanco (Torino), Rodrigo (Portimonense) e Walce (São Paulo);

Meio-campistas: Bruno Guimarães (Athletico-PR), Lucas Fernandes (Portimonense), Matheus Henrique (Grêmio), Pedrinho (Corinthians), Thiago Maia (Lille) e Wendel (Sporting);

Atacantes: Antony (São Paulo), Artur (Bahia), Gabriel Martinelli (Arsenal), Matheus Cunha (RB Leipzig), Paulinho (Bayer Leverkusen) e Pedro (Fiorentina).

ABC apresenta ex-presidente do Bahia para prestar consultoria

De acordo com Marcelo Sant’Ana, não existe “fórmula pronta” para que os problemas dos clubes sejam avaliados e posteriormente resolvidos
Marcelo Sant´Ana ao lado de Fernando Suassuna, presidente do ABC e seu sócio Marcelo Barros (Foto: Luciano Marcos/ABC FC)

Agora RN

Com o intuito de renovar sua estrutura administrativa, o ex-presidente do Esporte Clube Bahia e executivo da empresa Footway, Marcelo Sant’Ana, foi anunciado como novo consultor do ABC. Sua apresentação aconteceu na última quarta-feira, 18.

De acordo com Sant’Ana, não existe “fórmula pronta” para que os problemas dos clubes sejam avaliados e posteriormente resolvidos. Ele explica que o parecer é tomado a partir das condições do clube e que o foco é deixar um legado competitivo e financeiramente “saudável” no time.

“Não existe fórmula pronta. Cada clube tem a sua cultura, cada cidade tem o seu jeito, cada torcida tem seus gostos e cada diretoria tem seu estilo. Temos que entender essas diferenças e nosso grande desafio é deixar uma mentalidade de gestão que independentemente de quem esteja à frente do clube, ele funciona de maneira saudável e competitiva”, contou.

Para o executivo, o ABC tem condições de obter sucesso, assim como o Bahia teve na antiga gestão de Sant’Ana e mantém atualmente. Ele acredita que o clube é o principal do Rio Grande do Norte e diz que o apoio da torcida será essencial nessa retomada.

“Assim como o Bahia tinha jeito o ABC também tem. Ambos são clubes de massa. Acredito que a transformação do clube passa pelo mesmo motivo que o Bahia também passou, pela força popular. O ABC é o principal clube do RN e precisa que a Frasqueira esteja representada dentro da rotina do time.

Marcelo Sant’Ana esteve à frente da presidência do Bahia de 2015 até o final de 2017.

Pan: Brasil abre sexta-feira com ouro e prata no surfe stand-up paddle

Brasileiro disputa nesta tarde final individual do badminton
Atleta Lena Ribeiro(Foto: Miriam Jeske/COB)

Agência Brasil

A primeira a triunfar nesta sexta-feira (2) no mar agitado de Lima foi Lena Guimarães, tricampeã nacional no surfe stand-up paddle (SUP), modalidade que integra o surfe clássico com o uso de remos. Ela deixou para trás a norte-americana a Candice Appleby, campeã quatro vezes da Corrida SUP Race, uma das principais disputas do mundo na modalidade, que ficou com a medalha de prata. A porto-riquenha Mariecamen Rivera, chegou em terceiro lugar e ficou com o bronze.

Foi um desafio e tanto para a brasileira, que passou boa parte da prova 30 segundos atrás da líder Candice Appleby. Além disso, Lena sofreu uma queda e quase foi ultrapassada por Mariecamen Rivera, mas a sorte virou para a brasileira: as duas primeiras colocadas levaram um caldo e caíram da prancha. Foi quando Lena conseguiu se recuperar – ela ainda contou com o embalo de uma onda para assumir a liderança e cruzar a linha de chegada com o tempo de 33min25s7. A norte-americana ficou com a prata (34min03s9) e a portorriquenha Rivera levou o bronze (34min38s0).

Logo depois da conquista do ouro por Lena Guimarães, veio a prata com o sufista Vinnicius Martins, natural de Búzios, na Região dos Lagos, Rio de Janeiro. Favorito na competição, o brasileiro chegou a liderar a prova, mas foi ultrapassado pelo norte-americanao Connor Baxter, que ficou na frente até o fim, completando o percurso em 24min18s7. Vinnicius chegou em segundo, com o tempo de 25min01s3 e o peruano Itzel Delgado, em terceiro, com 26min24s3.

O Brasil soma agora 39 medalhas –13 de ouro, 13 de prata e 23 de bronze – e permanece em terceiro lugar no quadro geral, atrás do México, segundo colocado, que totaliza 54 medalhas (16 de ouro, 11 de prata e 24 de bronze). Os Estados Unidos lideram a competição, como 89 medalhas (37 de ouro, 28 de prata e 24 de bronze.

Badminton

Nesta tarde, às 16h, o Brasil disputa a final do individual masculino do badminton no Pan-Americano de Lima. O carioca Ygor Coelho decide a medalha de ouro com o canadense Bryan Yang. A presença na final foi garantida ontem (1º) à noite, quando o brasileiro venceu, de virada, outro canadense: Jason Ho-Shue, por 2 sets a 1.

A campanha do badminiton brasileiro no Pan de Lima já é a melhor da história do país na modalidade: só nesta quinta-feira foram quatro medalhas de bronze e, no pior cenário, a prata já está garantida, em caso de derrota de Ygor Coelho, na partida de hoje. O melhor desempenho do Brasil havia sido na última edição dos Jogos Pan-Americanos, em 2015, em Toronto, no Canadá.

Os primeiros a garantir o bronze ontem foram as duplas brasileiras masculina e feminina: na semifinal, os irmãos Franceilton e Fabrício Farias perderam para outra dupla de irmãos, os norte-americanos Phililp e Ryan Chew, por 2 sets a 1. Na semifinal feminina, a dupla Fabiana Silva e Tamires Santos ficou com o bronze após derrota para as canadenses Rachel Honderich e Kristen Tsai, por 2 sets a 0.

A noite de quinta terminou com mais duas medalhas de bronze para o Brasil: a dupla Jaqueline e Samia Lima venceu o primeiro set contra as norte-americanas Kuei-Ya Chen e Jamie Hsu, mas depois permitiu a virada, perdendo por 2 sets a 1. Também com uma vitória de virada, por 2 sets a 1, os canadenses Joshua Hurlburt-Yu e Josephine Wu superaram na semifinal de duplas mixtas os brasileiros Fabrício Farias e Jaqueline Lima.

Com dobradinha brasileira no triatlo, Luisa Baptista conquista o primeiro ouro do Brasil em Lima

Brasileira ultrapassa a compatriota Vittoria Lopes no trecho final da corrida e fatura o primeiro título do país nos Jogos Pan-Americanos 2019. Mexicana Cecilia Perez fica com o bronze
Foto: Wander Roberto/COB

Globo Esporte

Saíram as duas primeiras medalhas do Brasil nos Jogos Pan-Americanos de Lima. E a conquista foi ao melhor estilo. Com direito a dobradinha brasileira no pódio, Luisa Baptista faturou o ouro no triatlo feminino, com o tempo de 2h00m55s na corrida. A prata foi para Vittoria Lopes, que fechou a prova em 2h01m27s. Completou o pódio a mexicana Cecilia Perez, com 2h02m07s.

– Estou muito feliz. É o resultado mais especial que já tive na minha carreira. Eu estava muito confiante e muito nervosa ao mesmo tempo, porque sabia que esse resultado poderia vir. Foi acreditar no trabalho não só desses últimos meses, mas de oito anos atrás, quando iniciei no triatlo. Que, com esse resultados, venham muitos outros pro Brasil. A Vitória saiu muito forte, mas eu sabia que, se ela estivesse alguns segundos à frente, a gente poderia sair com mais uma medalha e fazer as duas. Acabei segurando um pouco o ritmo, fiquei no grupo e fiz um trabalho um pouco conservador no ciclismo, para que na corrida eu tivesse perna para definir e trazer essa dobradinha pro Brasil – disse a campeã logo após a prova.

Luisa confirmou que fez um jogo de equipe com Vittoria para que as duas abrissem vantagem em relação à atleta mexicana e garantissem a dobradinha brasileira em Lima.

– O triatlo é um esporte individual, mas se a gente está trabalhando em equipe, é uma vantagem tremenda. Na hora que eu vi que tinha uma boa vantagem para a mexicana, falei pra segurarmos um pouquinho a corrida, para podermos ser primeira e segunda. Acabou dando tudo certo, ela permaneceu junto por quase um quilômetro, que foi suficiente pra que a gente abrisse de vez da mexicana e pudesse garantir o ouro e a prata.

A prova foi regada a emoção. Depois de liderar a maior parte do percurso, Vittoria, que é a atual 32ª colocada do ranking, foi ultrapassada por Luisa, número 49 do mundo, perto da linha de chegada. Além das duas medalhistas, mais uma brasileira participou da prova deste sábado. Com o tempo de 3m55s atrás da primeira colocada, Beatriz Neres terminou em nono.

Manoel Messias é prata no masculino

Assim como no individual feminino, o Brasil também subiu ao pódio no masculino. A honra coube a Manoel Messias, medalha de prata neste sábado, atrás apenas do mexicano Crisanto Grajales, que sagrou-se bicampeão pan-americano da prova com o tempo de 1h50m39s na corrida. Manoel, que cruzou a linha de chegada 16 segundos depois de Crisanto, ficou uma posição à frente do argentino Luciano Taccone, medalhista de bronze na prova.

O Pan de Lima vai reunir cerca de 6.850 atletas de 41 países das Américas. Dos 39 esportes, 22 valem como classificação para os Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020. No total, o Brasil terá 485 atletas em ação na capital do Peru.

Seleção Brasileira Feminina pode ter bicampeã olímpica como treinadora no lugar de Vadão

Confederação Brasileira de Futebol já procurou Pia Sundhage para saber sobre o seu interesse em assumir o Brasil, e a sueca se mostrou disposta a conversar
Vadão atual técnico da Seleção Brasileira Feminina (Foto: Reprodução/FOX Sports)

FOX Sports

Após a disputa da Copa do Mundo na França sob o comando do técnico Vadão, a Seleção Brasileira Feminina poderá ter uma treinadora bicampeã olímpica como substituta. Segundo publicação do Globoesporte.com, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) já procurou a sueca Pia Sundhage, que atualmente está à frente da categoria sub-16 do seu país.

Após a eliminação para a França nas oitavas de final deste último Mundial, o presidente da CBF, Rogério Cabloclo, procurou Sundhage, que se mostrou disposta a conversar. O próximo passo é conversar com Vadão sobre uma substituição no cargo e, em seguida, se acertar com a sueca.

Bicampeã olímpica à frente dos Estados Unidos, a treinadora é vista como uma referência no esporte, inclusive pelo fato de, nas últimas Olimpíadas, no Rio de Janeiro em 2016, ter chegado à final sob o comando da Suécia, e perdendo para a Alemanha. Caso Sundhage não acerte com o Brasil, a certeza é que a CBF irá atrás de uma outra treinadora, necessariamente mulher.

Brasil e Paraguai abrem hoje quartas de final da Copa América

Jogo começa às 21h30 na Arena do Grêmio, em Porto Alegre
Foto: Reprodução/Internet

Agência Brasil

A seleção brasileira enfrenta hoje (27) o Paraguai na primeira partida das quartas de final da Copa América 2019. Será às 21h30 na Arena do Grêmio, em Porto Alegre.

Os brasileiros se classificaram em primeiro lugar no grupo A, com uma vitória de 3 a 0 sobre a Bolívia, um empate sem gols com a Venezuela e uma goleada de 5 a 0 sobre o Peru.

O Paraguai, que jogou pelo grupo B, é a única equipe classificada para as quartas de final que ainda não venceu na competição.

Os paraguaios se classificaram como um dos dois melhores terceiros colocados da primeira fase, com apenas dois empates (2 a 2 com o Catar e 1 a 1 com a Argentina) e uma derrota de 1 a 0 para a Colômbia.

Entretanto, o Paraguai não perde há quatro jogos para o selecionado brasileiro. Nos últimos dois confrontos eliminatórios, os paraguaios saíram vencedores, ambos em quartas de final: 2011, na Argentina, e 2015, no Chile.

Pelo lado brasileiro, a seleção canarinho perdeu apenas dois jogos para os paraguaios em casa: um amistoso em 2002 e pela Copa América de 1949. Foram 38 jogos, com 26 vitórias e 10 empates.

Com cinco títulos mundiais, os brasileiros buscam seu nono título sul-americano. O último deles foi em 2007. Já o Paraguai não tem nenhum título mundial.

As outras partidas de quartas de final serão disputadas entre Argentina e Venezuela (amanhã, às 16h, no Rio de Janeiro), Colômbia e Chile (amanhã, às 20h, em São Paulo) e Uruguai e Peru (no sábado, 29, às 16h, em Salvador).

Suárez critica gramados da Copa América: ‘Não estão em bom estado’

Campo da Fonte Nova, em Salvador, já havia sido alvo de reclamações; Maracanã também sofreu críticas
Suárez marcou um dos gols do Uruguai(Foto: Divulgação/Uruguai)

Lance!/Terra

Os gramados dos estádios brasileiros que vem sediando a Copa América tem sido alvos de críticas. Desta vez, foi o atacante Luis Suárez quem reclamou. Na zona mista após o empate por 2 a 2 contra o Japão, o camisa 9 do Uruguai e do Barcelona criticou o estado dos campos. A Celeste já atuou na Arena do Grêmio e no Mineirão e irá ao Maracanã na próxima segunda-feira.

– Obviamente que não é desculpa para uma equipe como a nossa. Mas os gramados dos estádios não estão em bom estado. Vimos o Maracanã, estava muito mal. Mas tem que se adaptar a essas situações – disse o atacante.

O uruguaio Nicolás Lodeiro também adotou um discurso semelhante ao de Suárez. No entanto, ele destacou que isso não foi determinante para o resultado.

– Realmente não estava bom, mas não foi razão para o resultado – disse.

O técnico da Venezuela, Rafael Dudamel, reclamou do estado do campo da Arena Fonte Nova, em Salvador, após o empate contra o Brasil. O estádio também foi criticado por Lionel Scaloni e Carlos Queiroz, técnicos de Argentina e Colômbia.

Brasil enfrenta França nas oitavas da Copa feminina; jogo será no domingo

Para este jogo, a equipe deve contar com a volta de Formiga, que cumpriu suspensão contra a Itália e, segundo o médico da seleção, já está recuperada da leve entorse que sofreu no tornozelo esquerdo.
Seleção Brasileira Feminina disputa Copa do Mundo na França (Foto: Reprodução/Internet)

Ana Carolina Oliveira/UOL

A França será adversária do Brasil nas oitavas de final da Copa do Mundo feminina. O Chile precisava ter vencido a Tailândia por três ou mais gols de diferença na noite de hoje (20), mas só triunfou por 2 a 0, perdeu um pênalti nos minutos finais e não se classificou. Porém, este resultado confirmou que a seleção brasileira enfrentará as anfitriãs neste domingo (23), às 16 horas (de Brasília), em Le Havre.

A delegação do Brasil viajará de ônibus amanhã (21) – o grupo continuou treinando em Lille nos últimos dias porque ainda não sabia para qual cidade iria entre Le Havre e Grenoble. Para este jogo, a equipe deve contar com a volta de Formiga, que cumpriu suspensão contra a Itália e, segundo o médico da seleção, já está recuperada da leve entorse que sofreu no tornozelo esquerdo.

Atual campeã no futebol masculino, a França busca seu primeiro título na história do Mundial feminino e tem recebido grandes públicos em seus jogos. A tendência é de que haja casa cheia contra o Brasil, dada a rivalidade entre as duas torcidas. Trata-se de uma seleção cuja base é o Lyon, atual tetracampeão consecutivo da Liga dos Campeões.

Nos últimos dias, desde a vitória por 1 a 0 sobre a Itália, as jogadoras brasileiras vinham sendo questionadas sobre qual equipe preferiam enfrentar entre a França e a bicampeã Alemanha (caminho que teria se concretizado se o Chile tivesse convertido o pênalti perdido nos minutos finais contra a Tailândia). Marta chegou a dizer que seria um “privilégio” encarar a anfitriã.

Se superar o time francês nas oitavas, a seleção brasileira terá pela frente o vencedor do confronto entre Estados Unidos e Espanha. As norte-americanas venceram a Suécia hoje, por 2 a 0, e se classificaram no primeiro lugar do Grupo F; portanto, disputarão o mata-mata no mesmo lado da chave que o Brasil.

Veja os jogos das oitavas (com horários de Brasilia):

Noruega x Austrália – 22 de junho – 16h00 – Nice

Inglaterra x Camarões – 23 de junho – 12h30 – Valenciennes

França x Brasil – 23 de junho – 16h00 – Le Havre

Espanha x Estados Unidos – 24 de junho – 13h00 – Reims

Itália x China – 25 de junho – 13h00 – Montpellier

Holanda x Japão – 25 de junho – 16h00 – Rennes

Alemanha x Nigéria – 22 de junho – 12h30 – Grenoble

Suécia x Canadá – 24 de junho – 16h00 – Paris.

Brasil e Bolívia abrem hoje a Copa América

O Brasil já conquistou oito vezes o torneio, quatro delas quando sediou a competição. A última vez que ganhou a competição foi em 2007.
O ex-lateral da Seleção Brasileira, Cafu, posa com o mascote da Copa América Brasil 2019, no Estádio do Morumbi, zona oeste de São Paulo.(Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil)

Agência Brasil

A seleção brasileira, anfitriã da edição da Copa América 2019, abre hoje (14) o torneio enfrentando a seleção da Bolívia, às 21h30, no Estádio do Morumbi, em São Paulo. O Brasil já conquistou oito vezes o torneio, quatro delas quando sediou a competição. A última vez que ganhou a competição foi em 2007.

A Bolívia ganhou o torneio em uma ocasião, em 1963, quando disputou a competição como país organizador.

Mais de 67 mil ingressos já foram vendidos para a partida de abertura do torneio.

O árbitro do jogo será o argentino Nestor Pistana. Ele será auxiliado por Hernán Maldana e Juan P. Belatti, também argentinos. O quarto árbitro será o equatoriano Roddy Zambrano.

“O Brasil vai ser um adversário difícil, com o apoio do seu povo, e é candidato a ganhar a Copa, mas nos preparamos bem, corrigimos erros, jogamos amistosos e estamos confiantes de que chegaremos da melhor maneira”, disse o goleiro Carlos Lampe, da Bolívia.

O jogador Casemiro, da seleção brasileira, considera que será uma partida complicada contra a Bolívia. “A seleção de Bolívia está muito bem preparada, principalmente na parte defensiva”.

Copa América

A Copa América 2019 será disputada pelos dez países integrantes da Conmebol e por dois países convidados, Japão e Catar. Os jogos serão realizados em cinco cidades: Belo Horizonte, São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo.

Na primeira fase, os 12 países foram divididos em três grupos.

O Brasil está no Grupo A e pegará as seleções da Bolívia, Venezuela e Peru. O Grupo B é formado pelas equipes da Argentina, da Colômbia, do Paraguai e do Catar. Fazem parte do Grupo C o Uruguai, o Equador, o Chile e o Japão.

Classificam-se para as quartas de final os dois primeiros colocados de cada grupo e os dois melhores terceiros colocados. A partir dessa fase, os jogos serão eliminatórios. O atual campeão da competição é o Chile.

Cerimônia de abertura

Pouco antes do início da partida de hoje, às 21h10, haverá a cerimônia de abertura. Ela terá 10 minutos de duração, vai contar a história do sonho de 12 crianças, cada uma delas representando um dos países que disputarão a competição. Segundo a organização, essa história será dividida em duas partes: a segunda parte será contada no encerramento.

Durante a cerimônia será cantada a música-tema da Copa América deste ano, Vibra Continente, que será apresentada por Léo Santana e pela colombiana Karol G.

O presidente Jair Bolsonaro deverá acompanhar o primeiro jogo da seleção.