Seleção Brasileira Feminina pode ter bicampeã olímpica como treinadora no lugar de Vadão

Confederação Brasileira de Futebol já procurou Pia Sundhage para saber sobre o seu interesse em assumir o Brasil, e a sueca se mostrou disposta a conversar
Vadão atual técnico da Seleção Brasileira Feminina (Foto: Reprodução/FOX Sports)

FOX Sports

Após a disputa da Copa do Mundo na França sob o comando do técnico Vadão, a Seleção Brasileira Feminina poderá ter uma treinadora bicampeã olímpica como substituta. Segundo publicação do Globoesporte.com, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) já procurou a sueca Pia Sundhage, que atualmente está à frente da categoria sub-16 do seu país.

Após a eliminação para a França nas oitavas de final deste último Mundial, o presidente da CBF, Rogério Cabloclo, procurou Sundhage, que se mostrou disposta a conversar. O próximo passo é conversar com Vadão sobre uma substituição no cargo e, em seguida, se acertar com a sueca.

Bicampeã olímpica à frente dos Estados Unidos, a treinadora é vista como uma referência no esporte, inclusive pelo fato de, nas últimas Olimpíadas, no Rio de Janeiro em 2016, ter chegado à final sob o comando da Suécia, e perdendo para a Alemanha. Caso Sundhage não acerte com o Brasil, a certeza é que a CBF irá atrás de uma outra treinadora, necessariamente mulher.

Brasil e Paraguai abrem hoje quartas de final da Copa América

Jogo começa às 21h30 na Arena do Grêmio, em Porto Alegre
Foto: Reprodução/Internet

Agência Brasil

A seleção brasileira enfrenta hoje (27) o Paraguai na primeira partida das quartas de final da Copa América 2019. Será às 21h30 na Arena do Grêmio, em Porto Alegre.

Os brasileiros se classificaram em primeiro lugar no grupo A, com uma vitória de 3 a 0 sobre a Bolívia, um empate sem gols com a Venezuela e uma goleada de 5 a 0 sobre o Peru.

O Paraguai, que jogou pelo grupo B, é a única equipe classificada para as quartas de final que ainda não venceu na competição.

Os paraguaios se classificaram como um dos dois melhores terceiros colocados da primeira fase, com apenas dois empates (2 a 2 com o Catar e 1 a 1 com a Argentina) e uma derrota de 1 a 0 para a Colômbia.

Entretanto, o Paraguai não perde há quatro jogos para o selecionado brasileiro. Nos últimos dois confrontos eliminatórios, os paraguaios saíram vencedores, ambos em quartas de final: 2011, na Argentina, e 2015, no Chile.

Pelo lado brasileiro, a seleção canarinho perdeu apenas dois jogos para os paraguaios em casa: um amistoso em 2002 e pela Copa América de 1949. Foram 38 jogos, com 26 vitórias e 10 empates.

Com cinco títulos mundiais, os brasileiros buscam seu nono título sul-americano. O último deles foi em 2007. Já o Paraguai não tem nenhum título mundial.

As outras partidas de quartas de final serão disputadas entre Argentina e Venezuela (amanhã, às 16h, no Rio de Janeiro), Colômbia e Chile (amanhã, às 20h, em São Paulo) e Uruguai e Peru (no sábado, 29, às 16h, em Salvador).

Suárez critica gramados da Copa América: ‘Não estão em bom estado’

Campo da Fonte Nova, em Salvador, já havia sido alvo de reclamações; Maracanã também sofreu críticas
Suárez marcou um dos gols do Uruguai(Foto: Divulgação/Uruguai)

Lance!/Terra

Os gramados dos estádios brasileiros que vem sediando a Copa América tem sido alvos de críticas. Desta vez, foi o atacante Luis Suárez quem reclamou. Na zona mista após o empate por 2 a 2 contra o Japão, o camisa 9 do Uruguai e do Barcelona criticou o estado dos campos. A Celeste já atuou na Arena do Grêmio e no Mineirão e irá ao Maracanã na próxima segunda-feira.

– Obviamente que não é desculpa para uma equipe como a nossa. Mas os gramados dos estádios não estão em bom estado. Vimos o Maracanã, estava muito mal. Mas tem que se adaptar a essas situações – disse o atacante.

O uruguaio Nicolás Lodeiro também adotou um discurso semelhante ao de Suárez. No entanto, ele destacou que isso não foi determinante para o resultado.

– Realmente não estava bom, mas não foi razão para o resultado – disse.

O técnico da Venezuela, Rafael Dudamel, reclamou do estado do campo da Arena Fonte Nova, em Salvador, após o empate contra o Brasil. O estádio também foi criticado por Lionel Scaloni e Carlos Queiroz, técnicos de Argentina e Colômbia.

Brasil enfrenta França nas oitavas da Copa feminina; jogo será no domingo

Para este jogo, a equipe deve contar com a volta de Formiga, que cumpriu suspensão contra a Itália e, segundo o médico da seleção, já está recuperada da leve entorse que sofreu no tornozelo esquerdo.
Seleção Brasileira Feminina disputa Copa do Mundo na França (Foto: Reprodução/Internet)

Ana Carolina Oliveira/UOL

A França será adversária do Brasil nas oitavas de final da Copa do Mundo feminina. O Chile precisava ter vencido a Tailândia por três ou mais gols de diferença na noite de hoje (20), mas só triunfou por 2 a 0, perdeu um pênalti nos minutos finais e não se classificou. Porém, este resultado confirmou que a seleção brasileira enfrentará as anfitriãs neste domingo (23), às 16 horas (de Brasília), em Le Havre.

A delegação do Brasil viajará de ônibus amanhã (21) – o grupo continuou treinando em Lille nos últimos dias porque ainda não sabia para qual cidade iria entre Le Havre e Grenoble. Para este jogo, a equipe deve contar com a volta de Formiga, que cumpriu suspensão contra a Itália e, segundo o médico da seleção, já está recuperada da leve entorse que sofreu no tornozelo esquerdo.

Atual campeã no futebol masculino, a França busca seu primeiro título na história do Mundial feminino e tem recebido grandes públicos em seus jogos. A tendência é de que haja casa cheia contra o Brasil, dada a rivalidade entre as duas torcidas. Trata-se de uma seleção cuja base é o Lyon, atual tetracampeão consecutivo da Liga dos Campeões.

Nos últimos dias, desde a vitória por 1 a 0 sobre a Itália, as jogadoras brasileiras vinham sendo questionadas sobre qual equipe preferiam enfrentar entre a França e a bicampeã Alemanha (caminho que teria se concretizado se o Chile tivesse convertido o pênalti perdido nos minutos finais contra a Tailândia). Marta chegou a dizer que seria um “privilégio” encarar a anfitriã.

Se superar o time francês nas oitavas, a seleção brasileira terá pela frente o vencedor do confronto entre Estados Unidos e Espanha. As norte-americanas venceram a Suécia hoje, por 2 a 0, e se classificaram no primeiro lugar do Grupo F; portanto, disputarão o mata-mata no mesmo lado da chave que o Brasil.

Veja os jogos das oitavas (com horários de Brasilia):

Noruega x Austrália – 22 de junho – 16h00 – Nice

Inglaterra x Camarões – 23 de junho – 12h30 – Valenciennes

França x Brasil – 23 de junho – 16h00 – Le Havre

Espanha x Estados Unidos – 24 de junho – 13h00 – Reims

Itália x China – 25 de junho – 13h00 – Montpellier

Holanda x Japão – 25 de junho – 16h00 – Rennes

Alemanha x Nigéria – 22 de junho – 12h30 – Grenoble

Suécia x Canadá – 24 de junho – 16h00 – Paris.

Brasil e Bolívia abrem hoje a Copa América

O Brasil já conquistou oito vezes o torneio, quatro delas quando sediou a competição. A última vez que ganhou a competição foi em 2007.
O ex-lateral da Seleção Brasileira, Cafu, posa com o mascote da Copa América Brasil 2019, no Estádio do Morumbi, zona oeste de São Paulo.(Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil)

Agência Brasil

A seleção brasileira, anfitriã da edição da Copa América 2019, abre hoje (14) o torneio enfrentando a seleção da Bolívia, às 21h30, no Estádio do Morumbi, em São Paulo. O Brasil já conquistou oito vezes o torneio, quatro delas quando sediou a competição. A última vez que ganhou a competição foi em 2007.

A Bolívia ganhou o torneio em uma ocasião, em 1963, quando disputou a competição como país organizador.

Mais de 67 mil ingressos já foram vendidos para a partida de abertura do torneio.

O árbitro do jogo será o argentino Nestor Pistana. Ele será auxiliado por Hernán Maldana e Juan P. Belatti, também argentinos. O quarto árbitro será o equatoriano Roddy Zambrano.

“O Brasil vai ser um adversário difícil, com o apoio do seu povo, e é candidato a ganhar a Copa, mas nos preparamos bem, corrigimos erros, jogamos amistosos e estamos confiantes de que chegaremos da melhor maneira”, disse o goleiro Carlos Lampe, da Bolívia.

O jogador Casemiro, da seleção brasileira, considera que será uma partida complicada contra a Bolívia. “A seleção de Bolívia está muito bem preparada, principalmente na parte defensiva”.

Copa América

A Copa América 2019 será disputada pelos dez países integrantes da Conmebol e por dois países convidados, Japão e Catar. Os jogos serão realizados em cinco cidades: Belo Horizonte, São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo.

Na primeira fase, os 12 países foram divididos em três grupos.

O Brasil está no Grupo A e pegará as seleções da Bolívia, Venezuela e Peru. O Grupo B é formado pelas equipes da Argentina, da Colômbia, do Paraguai e do Catar. Fazem parte do Grupo C o Uruguai, o Equador, o Chile e o Japão.

Classificam-se para as quartas de final os dois primeiros colocados de cada grupo e os dois melhores terceiros colocados. A partir dessa fase, os jogos serão eliminatórios. O atual campeão da competição é o Chile.

Cerimônia de abertura

Pouco antes do início da partida de hoje, às 21h10, haverá a cerimônia de abertura. Ela terá 10 minutos de duração, vai contar a história do sonho de 12 crianças, cada uma delas representando um dos países que disputarão a competição. Segundo a organização, essa história será dividida em duas partes: a segunda parte será contada no encerramento.

Durante a cerimônia será cantada a música-tema da Copa América deste ano, Vibra Continente, que será apresentada por Léo Santana e pela colombiana Karol G.

O presidente Jair Bolsonaro deverá acompanhar o primeiro jogo da seleção.

Seleção começa a se apresentar na Granja Comary nesta quarta-feira

A seleção brasileira de futebol, começa a se apresentar no Centro de Treinamento da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), na Granja Comary, em Teresópolis/RJ, a partir desta quarta-feira (22), para o início da preparação visando os jogos da Copa América Brasil 2019.
Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Agência Brasil

A seleção brasileira de futebol, chefiada pelo treinador Tite, começa a se apresentar no Centro de Treinamento da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), na Granja Comary, em Teresópolis, na região serrana do Rio de Janeiro, a partir desta quarta-feira (22), para o início da preparação visando os jogos da Copa América Brasil 2019.

Além dos 23 jogadores convocados, formam ainda a delegação médicos, fisioterapeutas, roupeiros, massagistas, entre outros. De acordo com o planejamento da equipe técnica, na quinta-feira (23), às 16h, os jogadores iniciam a fase de treinamentos. O planejamento prevê, também, duas partidas amistosas contra o Catar e Honduras.

O Brasil enfrenta  a equipe do Catar no dia 5 de junho, no Estádio Mané Garrincha, em Brasília. O jogo contra Honduras ocorrerá no dia 9 de junho, no Beira-Rio, em Porto Alegre. A viagem da seleção a Brasília está prevista para 4 de junho, às 21h30.

Como os jogadores convocados por Tite se apresentarão em datas diferentes durante a preparação, atletas jovens de vários clubes estarão na Granja Comary completando o grupo de jogadores para os treinos com bola. Eles permanecerão em Teresópolis de 23 a 29 de maio.

Foram chamados os goleiros Phelipe (Grêmio) e Yuri Sena (Vitória), os defensores Weverton (Cruzeiro), Morato (São Paulo), Nestor (São Paulo), Bruno Fuchs (Internacional) e Ramon (Internacional), os meias Alan (Palmeiras) e Gui Azevedo (Grêmio), além do atacante Martinelli (Ituano).

A estreia da seleção brasileira na Copa América será no dia 14 de junho, às 21h30, contra a Bolívia, no Morumbi, em São Paulo. Nessa fase de grupos, o Brasil enfrentará ainda a Venezuela e o Peru nos dias 18 e 22 de junho, respectivamente.

*Com informações da CBF

Fifa anuncia novo Mundial de Clubes, a cada 4 anos e com 24 times. Primeira edição será em 2021

Torneio contará com oito times europeus e seis sul-americanos e passará a ocupar janela da Copa das Confederações. Estreia não será no Catar por conta do clima e não tem local definido
Gianni Infantino realizou pronunciamento em Miami (Foto: AFP)

Por Joanna de Assis e Martín Fernandez /Miami,USA

A Fifa anunciou nesta sexta-feira a criação de um novo Mundial de Clubes, a ser disputado a cada quatro anos, com a presença de 24 times. A primeira edição será organizada em junho e julho de 2021, em local a ser definido, ocupando a janela deixada pela Copa das Confederações no calendário mundial.

A nova competição terá 24 clubes: oito da Europa, seis da América do Sul e as demais divididas entre os demais continentes. A Fifa deixou para cada confederação continental definir os critérios de classificação ao Mundial.

– Houve muitas discussões construtivas, com o presidente da Uefa. Estamos avançando nesse assunto. Temos a responsabilidade de tomar decisões, e tomamos a decisão, e nas próximas semanas essas discussões vão dar frutos. Hoje há clubes que representam mais do que uma cidade, um país. Há clubes que são internacionais, têm fãs por todos os lados. Será importante para eles tentar ser campeões mundiais – afirmou o presidente da Fifa, Gianni Infantino.

Ameaça de boicote da Europa

Horas antes do anúncio da Fifa, enquanto membros do conselho ainda estavam reunidos, os gigantes europeus fizeram uma ameaça oficial de boicote à nova competição. A Associação de Clubes Europeus (ECA, na sigla em inglês) afirmou por meio de carta para a Fifa que iria boicotar o torneio, por ser “frontalmente contra a aprovação” do novo formato e que “nenhum membro do ECA vai disputar essa competição”.

O documento está assinado por representantes de 15 dos maiores clubes da Europa, incluindo Juventus, Real Madrid, Ajax, PSG, Barcelona, Bayern de Munique, Manchester United e Benfica. Trata-se de mais uma batalha na guerra entre a Fifa e os grandes clubes europeus, que também se opuseram ao aumento do número de participantes da Copa do Mundo para 48 seleções — mas foram derrotados.

No lugar da Copa das Confederações

O Mundial de Clubes reformado vai substituir no calendário dois torneios que eram considerados fracasso de público, crítica e qualidade técnica: o velho Mundial de Clubes (disputado por sete clubes em dezembro) e a Copa das Confederações, que desaparece do calendário.

Ainda haverá duas edições do velho Mundial com sete clubes, em 2019 e 2020. A edição de 2021 ainda não tem local definido, uma vez que o calor do verão no Catar, no meio do ano, inviabilizaria a prática do futebol em alto nível. Desta forma, o torneio não será um evento-teste para as instalações da Copa do Mundo.