Jovem falece por falta de atendimento médico na UPA de Macaíba

Jaciara Mayra da Silva faleceu na UPA de Parnamirim, após não conseguir atendimento na UPA de Macaíba, que está sem médico desde o dia 1º.
Jaciara Mayra da Silva era mãe de seu bebê de um ano e seis meses

Há três dias sem atendimento médico, a falta de compromisso com a Saúde da população macaibense fez a sua primeira vítima. Na noite dessa quarta-feira (02), a jovem Jaciara Mayra da Silva, de 25 anos, foi levada à UPA de nossa cidade por familiares, por volta das 22h, após um mal estar súbito. De acordo com a família, Jaciara chegou na UPA com vida, mas tiveram procurar atendimento em outra cidade, porque não havia médico.

“Ela saiu de casa com os sinais vitais pulsando. Ao chegar na UPA, uma enfermeira nos informou que não tinha médico. Ela olhou a pulsação dela, disse que estava normal, e orientou que buscássemos atendimento em outra unidade de saúde, mas, sequer, disponibilizaram uma ambulância. Aí, levamos ela no nosso carro para a UPA de Parnamirim por ser o pronto socorro mais próximo. Ao chegar lá, ela estava completamente apagada e com a pulsação muito fraca. No primeiro momento, a recepcionista não queria preencher a ficha dela, porque ela não morava em Parnamirim, mas, pelo estado muito grave que ela se encontrava, imediatamente, eles levaram ela para emergência. Após algum tempo, recebemos a notícia de que a equipe médica tinha feito de tudo, mas ela não tinha conseguido sobreviver. O médico nos contou que ela passou 35 minutos parada e isso era muito tempo para um ser humano”, informou Jessinara Silva, irmã de Jaciara, ao nosso blog.

Até o momento, a Prefeitura de Macaíba não se pronunciou a respeito desse caso, nem tão pouco informou à população macaibense quando o problema da falta de médico será resolvido. A Prefeitura se resumiu a dizer que o problema foi gerado pela Cooperativa de Médicos que venceu a licitação em dezembro do ano passado e que não apresentou médicos para trabalhar na UPA de Macaíba. Mas a cidade tem um médico como gestor. A pergunta é: Não há nada de imediato que possa ser feito até que outra empresa seja chamada para prestar o serviço ao povo de Macaíba?

UPA de Macaíba continua fechada por falta de médico

Até o momento, a Prefeitura não deu uma previsão de quando o problema será resolvido. 
Unidade de Pronto Atendimento de Macaíba 24h

Pelo segundo dia consecutivo, a Unidade de Pronto Atendimento de Macaíba fica fechada por falta de médico.

A Prefeitura alega que a culpa é da cooperativa de médicos vencedora da licitação, que não designou médicos para prestarem serviço na Unidade.

Fato é que o povo macaibense continua sem médico pelo segundo dia consecutivo de 2019 e, até o momento, a Prefeitura não deu uma previsão de quando o problema será resolvido.

Dia D de vacinação contra o vírus Influenza acontece neste sábado, em todo RN

Mutirão de vacinação acontece no próximo sábado (13) no RN (Foto: Reprodução/TV Diário)

Os postos de saúde de todo o Rio Grande do Norte participarão, neste sábado (13), do dia D de vacinação contra a vírus influenza. Cerca de 863.335 pessoas fazem parte do público alvo, que deve ser vacinado até o fim da campanha, no dia 26 de maio. Idosos acima de 60 anos, gestantes, puérperas com até 45 dias de parto, crianças entre 6 meses e 5 anos de idade, povos indígenas, e professores das escolas públicas e privadas, que estejam atuando em sala de aula, terão prioridade na vacinação.

Prefeitura inicia campanha de vacinação contra a gripe

Ação teve início nesta segunda-feira (17) e vai até o dia 26 de maio em todas as unidades de saúde do município. O Dia D da campanha será no dia 13 de maio.
Foto: Reprodução/Ministério da Saúde

Da Assecom-PMM

A campanha de vacinação contra a gripe começou hoje (17), em Macaíba, em todas as unidades de saúde do município. Neste ano os professores das redes municipal e privada também fazem parte do público-alvo da ação que será realizada até o dia 26 de maio. O Dia D da campanha será no dia 13 de maio.

O grupo de vacinação é composto por idosos, trabalhadores da área da saúde, crianças de seis meses a menores de cinco anos (quatro anos, 11 meses e 29 dias), povos indígenas, doentes crônicos, gestantes, portadores de condições especiais, pessoas privadas de liberdade e funcionários do sistema prisional e mães até 45 dias após o parto.

A vacina contra a gripe é segura e reduz as complicações que podem produzir casos graves da doença, internações ou, até mesmo, óbitos. Estudos demonstram que a vacinação pode reduzir entre 32% a 45% o número de hospitalizações por pneumonias e de 39% a 75% a mortalidade por complicações da influenza.