Estudo de Oxford vê dexametasona como ‘grande avanço’ no tratamento da Covid-19

Testes mostraram que a dexametasona, que é usada para diminuir inflamações de outras doenças, reduziu as taxas de mortalidade em cerca de um terço entre pacientes de Covid-19 hospitalizados em estado grave.
Ilustração do coronavírus criada pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças

CNN Brasil

Um estudo conduzido por pesquisadores da Universidade de Oxford, na Inglaterra, aponta a dexametasona, um esteroide barato e amplamente usado, como um “grande avanço” no combate à doença respiratória provocada pelo novo coronavírus.

Resultados de testes anunciados nesta terça-feira (16) mostraram que a dexametasona, que é usada para diminuir inflamações de outras doenças, reduziu as taxas de mortalidade em cerca de um terço entre pacientes de Covid-19 hospitalizados em estado grave.

“Este é um resultado que mostra que, se pacientes que têm Covid-19 e estão ligados a ventiladores ou no oxigênio recebem dexametasona, isso salvará vidas, e o fará a um custo notavelmente baixo”, disse Martin Landray, professor da Universidade de Oxford e co-líder do teste conhecido como Recovery.

Entre os pacientes de Covid-19 que não precisavam de auxílio respiratório, não houve benefício com o tratamento de dexametasona.

“Será muito difícil qualquer remédio substituir este, dado que, por menos de 50 libras esterlinas (cerca de 325 reais), você pode tratar oito pacientes e salvar uma vida”, disse.

Peter Horby, pesquisador e co-líder do teste, disse que a dexametasona é “o único remédio até agora que reduziu a mortalidade — e a reduz significativamente”.

“É um grande avanço”, afirmou. “A dexametasona não é cara na prateleira e pode ser usada imediatamente para salvar vidas em todo o mundo.”

Atualmente, não existem tratamentos ou vacinas aprovados contra Covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus, que já matou mais de 431 mil pessoas globalmente.

O teste Recovery comparou as reações de cerca de 2.100 pacientes, que foram designados de forma aleatória para receber o esteroide, com cerca de 4.300 pacientes que não receberam o medicamento.